Análise de Tendência em Marcos na Construção Civil

Análise de Tendência em Marcos na Construção Civil

O Método MTA

O acompanhamento de cronogramas na construção civil, seja por parte da construtora ou demais partes interessadas, é predominantemente baseado em análises do planejado versus realizado. Tais análises podem mascarar tendências para pontos chaves do empreendimento.

Existem métodos, dos mais robustos aos mais simples, que podem auxiliar os stakeholders no que diz respeito à análise de tendências do cumprimento dos principais pontos de um projeto. Um desses métodos, utilizado pela DOX, é o MTA (Milestones Trend Analysis ou Análise de Tendência em Marcos)

O método que fundamenta a efetividade na gestão de projetos possui uma leitura visual muito simples e de fácil compreensão, e ao mesmo tempo, fornece informações críticas para análises e discussões entre os envolvidos no projeto. Ao trabalhar com informações de tendências, permite a antecipação de tomada de decisões e estudos alternativos para se obter um bom resultado, de custo e prazo, no término do projeto.
Para permitir e garantir que essas novas decisões, baseadas na análise do gráfico do MTA, tenham real efeito no resultado final do projeto, o planejamento deve ter foco no caminho crítico do projeto e é recomendado a apresentação e análise do gráfico MTA em reuniões periódicas de progresso.
Alguns marcos de controle normalmente utilizados em construções prediais são: entregas de pavimentos, conferências externas, entregas de equipamentos, comissionamento, vistoria de concessionárias, entre outros.

Benefícios
Segue lista abaixo de alguns dos benefícios do método, segundo o blog GP Simples:
1. Visualização em formato rápido e simples do status atual, tendência e risco do projeto;
2. Colocar o foco no que realmente importa para as autoridades do projeto;
3. Exercitar o senso e a consciência do relato antecipado de pontos de atenção relevantes;
4. Contribuir para direcionar ações, julgamento e tomada de decisão na tempestividade adequada;
5. Corroborar no aculturamento do comportamento preventivo;
6. Registrar e visualizar de maneira simples as reprogramações no projeto.

Leitura do Gráfico
O gráfico, que possui forma triangular é composto por dois eixos e contém as seguintes informações do projeto:
Eixo Horizontal: Datas/meses das reuniões periódicas de progresso, onde são feitas as análises do gráfico e percepção do cumprimento ou desvio de planejamento dos principais marcos do projeto;
Eixo Vertical: Inserção do nome e datas/meses a serem concluídos os marcos que serão controlados e analisados com o gráfico. São expostos por ordem cronológica e lidos de baixo para cima;
Restante do gráfico (trecho quadriculado): Inputs do status de cada marco (com simbologias e cores diferentes) nas datas das reuniões periódicas de medição e análise.

  

Fonte da imagem: http://www.project-management-knowhow.com/milestone_trend_analysis.html 


A análise do gráfico, assim como sua visualização, é de fácil compreensão. 

Quando um marco se move para cima (casos expostos na imagem acima) significa que a data mudou para uma data posterior, portanto, aquele marco apresenta uma tendência de atraso. O contrário segue o mesmo pensamento, ou seja, se o marco se move para baixo há a tendência de antecipação do marco para uma data anterior a prevista. Se a análise é de um comportamento constante (horizontal), significa que a data proposta do marco foi bem planejada e tem tendência de ser cumprida em sua data original.
Quando uma linha ou símbolo atinge a linha diagonal do gráfico, significa que o marco, evento ou entrega foi finalizado.

Conclusão
A metodologia de Análise de Tendência de Marcos é uma ferramenta gerencial que permite às autoridades do projeto uma visão rápida e de alto nível de como o projeto está progredindo em relação aos principais marcos pré-estabelecidos, podendo também indicar tendências de pacotes de trabalhos. 
De forma simples e clara, proporciona aos gestores uma visão mais ampla e a longo prazo do projeto, o que outras ferramentas de planejamento e análise muitas vezes podem camuflar.

Referências:



Guilherme Marques Nogueira é Engenheiro Civil formado pela Universidade Presbiteriana Mackenzie (SP), integrante da equipe de operação da DOX, atuando na gestão e monitoramento do planejamento de obras da empresa, utilizando conceitos de Lean Construction e da metodologia BIM nos projetos que está envolvido. É também conselheiro da PNM Tecnologia.
Imagem Capa - Reprodução.