5 tendências para observar a tecnologia de construção ecológica

5 tendências para observar a tecnologia de construção ecológica

"O volume de produção em construção em todo o mundo  deverá crescer 85% até 2030.

Isso coloca a indústria global da construção em uma posição desafiadora: ela terá de atender à crescente demanda, mesmo que o mundo enfrente restrições de recursos e a demanda cresça por alto desempenho (mesmo “net zero”).

Para empresas inovadoras equipadas com fluxos de trabalho BIM e preparadas para aproveitar ao máximo a tecnologia de construção ecológica, esse desafio pode se tornar a oportunidade do século.

Há cinco tendências tecnológicas atuais e emergentes que reformulam a indústria para melhor e ajudam a tornar o ambiente construído à prova do futuro.

1. Construção Industrializada

Construção pré-fabricada, externa e modular estão em ascensão, com o BIM ajudando a catalisar a tendência. Essa é uma boa notícia, beneficiando tanto as partes interessadas quanto o meio ambiente. Quando a construção se desloca para fora do local, o material pode ser gerenciado com extrema eficiência, reduzindo custos e reduzindo o carbono incorporado final de um edifício. Estoque pode ser encomendado para especificação, corte e montado com precisão, mantendo as tolerâncias apertadas. Tolerâncias mais rigorosas, por sua vez, tornam os edifícios mais eficientes em termos energéticos. A pré-moldagem de materiais e a montagem de componentes de construção em um ambiente controlado em fábrica permite um processo de construção mais simplificado e minimiza a perturbação do local. Essa abordagem também reduz o desperdício de excedente e sucata e até aumenta o desempenho operacional.

As partes interessadas na construção se beneficiam do aumento da segurança do trabalhador em um ambiente externo controlado, mas as vantagens não param por aí. Os empreiteiros também podem reduzir a variabilidade e apertar o cronograma de entrega, desacoplando a construção do conjunto modular do cronograma no local. Foi demonstrado que os edifícios modulares têm um desempenho melhor do que os de seus parceiros construídos no local, economizando para os proprietários-operadores suas contas de energia e reduzindo as emissões durante a ocupação.


               

              O BIM ajudará as empresas de construção a recuperar resíduos de sucata, levando a custos reduzidos e

              uma pegada ambiental mais leve.


2. Construção Circular

Empreiteiros de demolição cotam regularmente para a recuperação de materiais de construção em suas propostas. Mas o BIM pode fazer muito mais para garantir que os edifícios e as melhorias dos inquilinos tenham um final de vida econômico e ambientalmente saudável. Enormes quantidades de resíduos de construção e demolição ainda chegam a aterros a cada ano como sucata incoerente. Esse fluxo contínuo de resíduos representa perda de valor e uma oportunidade perdida de reduzir as emissões de carbono: materiais recicláveis, como o aço, produzem uma fração do gás do efeito estufa - e são geralmente menos caros - em comparação à produção de materiais virgens.

O BIM abre o caminho para um modelo mais “circular”, onde os materiais permanecem em jogo por mais tempo, sendo reutilizados ou pelo menos reciclados sempre que possível e ajudando a mitigar a crise de recursos. E em algumas regiões, especialmente na Europa, a indústria está tratando cada vez mais “edifícios como bancos de materiais”. A capacidade do BIM de gerar listas de materiais altamente precisas (BOM) apóia a criação de “passaportes de materiais”, ajudando desenvolvedores, proprietários e inquilinos rastreie com precisão o que acontece em um novo prédio ou melhoria de inquilino para apoiar a recuperação fácil no futuro. Design para desmontagem e  reversível técnicas de construção garantem que o que é construído possa se desfazer novamente com o mínimo de esforço. O BIM ajuda a racionalizar, planejar e orientar a recuperação de material, reduzindo o tempo e o custo necessários para isso. Algumas grandes empresas, como a Royal BAM , já estão indo tão longe a ponto de simular a desmontagem de edifícios, levando, digamos, uma abordagem de projeto e construção virtual (VDC) para o descomissionamento - uma tendência que deve se espalhar nos próximos anos.

3. BIM - habilitado, planejamento otimizado e agendamento

O BIM introduziu o VDC no mundo, tornando muito mais fácil planejar, simular e visualizar construções antecipadamente. A construção de quatro e cinco dimensões, cada vez mais comum, agora ajuda a simplificar o trabalho no local, tornando-o mais enxuto. Essas práticas reduzem efetivamente o carbono corporativo de um edifício: minimizando a energia e o estoque de materiais que entram nele e cortando o lixo que sai dele. Projetos aproveitando ao máximo essa tendência estão alcançando reduções sem precedentes em custos, logística e cronogramas, ao mesmo tempo em que aumentam as margens, transformando a construção em um número rigorosamente coreografado com uma pegada ambiental mais enxuta.

Enquanto isso, a tecnologia BIM está ficando mais inteligente. No nível do dia-a-dia no local de trabalho, o aprendizado de máquina já está ajudando os contratados a priorizar tarefas e gerenciar riscos. Com o passar do tempo, o software de construção começará a sugerir de forma inteligente alternativas melhores no início do processo de planejamento. Poderia, eventualmente, começar a autogerar planos de trabalho de construção enxutos e completos, de ponta a ponta, com base no BIM.


               

              As ferramentas BIM exibirão dados de impacto ambiental acionáveis em momentos importantes durante

              o planejamento e a execução.


4. Quantificação da economia de custos ambientais

A construção ecológica aumenta o valor da propriedade, mas pode ser complicado saber o desempenho de um projeto ou até mesmo escolher o benchmark correto para comparação. E à medida que a resposta global às mudanças climáticas aumenta, setores de alto impacto, como a construção, serão cada vez mais responsáveis por seus impactos ambientais. Quantificar a economia de energia e material pode ser uma tarefa assustadora - traduzindo esses fatores em emissões de carbono ainda mais evitadas. Mas chegar a esses números é essencial para a tomada de decisões informadas e, cada vez mais, para a conformidade com os padrões regulatórios.

No futuro, espere ver as ferramentas BIM apresentando dados de impacto ambiental acionáveis em momentos importantes durante o planejamento e a execução. A tecnologia ajudará os empreiteiros a racionalizar a construção mais verde no processo de licitação, capacitando-os a comunicar claramente a lógica ambiental e financeira de suas decisões em conjunto. Eventualmente, o aprendizado de máquina e a IA automaticamente servirão as melhores escolhas, fornecendo recomendações para economia de custo, material, carbono e até mesmo de água.

5. Análise de energia para informar as especificações de entrega

As ferramentas de análise de energia já permitem que os projetistas de edifícios maximizem de maneira econômica o desempenho da energia construída. Mas a eficiência energética não é apenas uma preocupação dos arquitetos ou dos engenheiros do MEP. Os empreiteiros também podem alavancar a análise de energia durante a engenharia de valor, começando pela identificação dos fatores mais sensíveis e menos sensíveis que contribuem para o consumo de energia de um determinado edifício. Para alguns projetos, o tipo de envidraçamento pode ser uma opção de alto impacto, para ser tratado como “sagrado” se o prédio tiver a intenção de funcionar conforme projetado. Para outros, poderia ser especificação de construção de parede. Essa abordagem permite que os contratados reduzam os custos, conforme necessário, apenas quando as alterações nas especificações do projeto tiverem o menor efeito no desempenho construído. Quantifica e minimiza o “compromisso” com o desempenho energético projetado.

Ele também pode ajudar a gerenciar compensações, respondendo por itens de linha mais caros no primeiro custo. Por exemplo, envidraçamentos mais caros poderiam reduzir as cargas de resfriamento, permitindo um resfriador menor e mais barato. Este exemplo é realmente melhor do que custo-neutro porque paga dividendos ao longo da ocupação do edifício, reduzindo os custos operacionais de energia e as emissões de carbono.


Artigo de Michael Floyd . Uma versão deste artigo apareceu anteriormente no Construction Executive".


Gostou do artigo ou quer saber mais? Deixe seu comentário.


MAIS LIDAS

DOX GANHA DESTAQUE E LEVA O PRÊMIO DE EXCELÊNCIA BIM SINDUSCON-SP 2017

WORKSHOP BIM PARA INSTALADORAS

COMO O STARBUCKS UTILIZA BIM E VR PARA TRAZER ASPECTOS LOCAIS AOS SEUS ESTABELECIMENTOS NO JAPÃO

7 BOAS PRÁTICAS NO GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE CONSTRUÇÃO

COM AS TECNOLOGIAS RV, RA e RM, SERES HUMANOS E MÁQUINAS SE UNIRÃO NA FORÇA DE TRABALHO

ANÁLISE DE TENDÊNCIAS EM MARCOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL

RESIDENCIAL DAMHA IV PRESIDENTE PRUDENTE

EDIFÍCIO ALAMEDA SANTOS E SEUS DESAFIOS DE TERRENO E LOGÍSTICA

6 FERRAMENTAS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS QUE VOCÊ DEVE CONHECER

SOFT SKILLS - 8 HABILIDADES DO GP PERFEITO

DOX GANHA DESTAQUE EM MÍDIA ESPECIALIZADA EM SHOPPING CENTERS

DOX APRESENTA CASE VENCEDOR DO PRÊMIO EXCELÊNCIA BIM SINDUSCON-SP NO ROAD SHOW BIM EM PORTO ALEGRE



Repost de Autodesk

Fonte original: Autodesk, em 19/01/2018 (Artigo de Michael Floyd)

Imagens: Reprodução